Umbanda-candomblé

Entendendo uma Gira de Umbanda

Entendendo uma Gira de Umbanda

1
Certamente a muitos é estranho entrar num terreiro e assistir uma gira, orar aos Orixás para
que seus problemas sejam resolvidos. Mas como isto funciona?
A Umbanda desde que se iniciou, e isto já é um ponto a considerar, rapidamente se
enquadrou dentro do contexto nacional brasileiro. É incrível a rapidez com que se propagou, e o
interesse que tem causado a outras nações do mundo, sendo alvo de estudos, até de teses de pósgraduação
em psicologia, onde tentam por vários meios explicar um fenômeno, que facilmente se
conclui pertencer a outras esferas de atividades da vida.
Observando-se o contexto nacional, a impressão que temos é que a consciência coletiva
chegou a um ponto que não pode mais ser contida. Compreendemos como consciência coletiva, o
somatório de consciências voltadas para um mesmo fim com laços kármicos. Além do mais, a
Umbanda é uma religião que reúne elementos culturais do nosso país, envolvendo diferentes raças e
credos do mundo.
Pela rapidez com que se instalou em nossas vidas, pela simplicidade que lhe é própria, pelos
ensinamentos que as entidades que se apresentam como trabalhadores de Umbanda trouxeram e
trazem, não houve tempo ou talvez necessidade de uma codificação no plano físico. Seu mister é
trabalho e caridade. As codificações, os credos, são fatos que se fazem às vezes desnecessários, às
vezes necessários.
Por isto esta obra está longe de ter a pretensão de se tornar um “Código de Umbanda” ou
qualquer coisa parecida, objetivo tão somente resgatar e transmitir os ensinamentos obtidos através
anos de trabalho dentro da Seara Umbandista, onde estudei e testei as mais diversas influências que
me levaram as conclusões discorridas neste trabalho.
Portanto, mais importante do que estabelecer códigos é compreender a verdadeira Missão da
Umbanda e como as forças da natureza interagem para que esta missão seja alcançada.
O que cada trabalhador de Umbanda deve ter como bandeira? Que a Umbanda é uma religião
voltada somente para o bem. Não fazemos trabalhos para isto ou aquilo. Que o culto é grátis e não
pode atender a interesses particulares.
Alguns trabalhadores menos esclarecidos deturpam completamente o sentido das bases do
bem, saem fora da caridade e do trabalho produtivo gratificante, e continuam a chamar suas sessões
de Umbanda. Isto é que é errado! É isto que nós umbandistas devemos combater e esclarecer.
 

Ficarmos discutindo dogmas deste ou daquele Orixá nos leva a compreensão das forças da natureza
sim, mas deve objetivar apenas isto e não a imposição de uma única Verdade.
A única verdade da Umbanda é a Caridade e o Amor, o resto são formas de culto que variarão
de região para região, de terreiro para terreiro e devem ser respeitadas. Entretanto, charlatães,
enganadores, espoliadores, falsos profetas, enfim, pessoas que usam o nome da Umbanda em
benefício próprio tem que ser combatidos através do esclarecimento e divulgação da essência da
Umbanda.
Devido a pessoas sem escrúpulos, é comum chegarem consulentes aos Centros de
Umbanda, e se pasmarem com o fato de que o trabalho da gira de Umbanda visar somente o bem.
Esperamos sinceramente que este problema seja erradicado de nosso meio. E para isto contamos
com a ajuda de todos os umbandistas na busca pela compreensão, divulgação e esclarecimento da
verdadeira essência da Umbanda, pois os nossos piores detratores são os que se dizem umbandistas
e se desviam do caminho do Bem.
Dos pilares básicos compreendemos nas lições trazidas pelos trabalhadores espirituais, e aqui
evocamos a figura humilde dos Pretos Velhos, que são os Mestres da humildade, o seguinte: cada
um tem suas crenças, suas características, seus laços de família, de raça e de religião, e isto deve
ser respeitado. Respeitamos todas as religiões, desde que voltadas para o bem, e que respeitem os
direitos humanos.
Portanto, a Umbanda não precisa ser pregada. Simplesmente se impõe no nosso contexto
pelas verdades e características que as Entidades trouxeram e trazem e basta que olhemos e
pensemos nas forças da natureza agindo, interagindo e atuando constantemente em nossas vidas.
Procuramos compreender não apenas os princípios básicos que nos mostram, mas as leis
que regem a vida. E, portanto é necessário muitas vezes evocar algo mais profundo do que o
concreto.
Entretanto, urge um posicionamento firme por parte dos umbandistas. A Umbanda é linda e
está voltada exclusivamente para a Caridade. Não podemos nos envergonhar de ser umbandistas.
Temos que assumir o nosso amor a Umbanda e elevar o seu nome através de exemplos próprios em
nossas vidas, em nosso dia-a-dia. Não adianta ser umbandista apenas dentro do Terreiro. Temos que
ser fora dele principalmente!
O trabalhador de Umbanda deve compreender que na gira de caridade (sessão), todos estão
fazendo caridade; o guia, o médium, os dirigentes materiais e espirituais, o assistente, e, portanto
todos têm sua paga espiritual através da Lei do Karma. Fazemos o bem, porque ultrapassamos a
barreira do viver apenas por viver, admitimos com isso algumas leis da vida hiper-física, e mais do
que admitir, colocamos em prática tais leis.
No entanto, o viver nos ensina que nem todos os problemas podem ser resolvidos, mas
podem ser compreendidos, e podemos receber amparo, por isso procuramos explicações que
necessitam ser mais profundas. Mas sempre dentro do merecimento de cada um.
Reconhecemos uma hierarquia dos espíritos, reconhecemos que alguns problemas que se
nos apresentam tem origem kármica e, portanto não podem ser “resolvidos” rapidamente, sendo
exigido um tempo para sua expiação. E não adianta ficarmos batendo pé, exigindo dos Orixás, guias
ou entidades “solução imediata”. Guia nenhum, enviado de Orixá nenhum se apresenta em terreiro
nenhum para “resolver nossos problemas materiais.” Tudo tem seu tempo e sua hora dentro do
merecimento de cada um. Devemos pedir resignação e força para enfrentar as nossas dificuldades e
principalmente auxílio para sermos merecedores da graça que buscamos.
Compreendemos também, que temos amigos no além-túmulo, que se têm condições de ajudar,
ajudam, os quais denominamos guias, trabalhando por nós em outras esperas de atividades.
Podemos, em razão desta compreensão aplicar outras...
1. Devemos compreender que pretos velhos, caboclos, ou entidades que podem nos ajudar não
habitam em nosso plano físico. Os pontos cantados, o defumador, as orações, o ambiente,
enfim, visam oferecer condições para evocar tais entidades para perto de nós.
2. As falanges que atendem aos apelos de nossos chamados possuem reinos de vida, áreas de
atuação, de modo que trazem energias e vibrações afins, assim ao chegarem ao nosso meio
carregam o ambiente e trocam nossa energia terráquea (física) por energia proveniente de
suas hostes (cósmica).
3. Reconhecemos os Orixás básicos, e que cada um tem sua esfera de atividades. Como
embaixadores de Deus, como ministros de Deus, cada qual têm seu campo de ação, e para
sermos mais eficientes devemos fazer o pedido ao Orixá certo. Se queremos que uma planta
brote, cresça e floresça não podemos molhá-la com água salgada, mantê-la longe do sol ou
em lugar sem ar. Se quisermos pescar não podemos ir a um mar ou rio poluídos. Assim é com
os nossos pedidos.
4. Dentro dos pedidos que se fazem as falanges que são invocadas nas giras, um fator básico a
que nos propomos, tanto trabalhadores físicos (médiuns) quanto trabalhadores espirituais é a
condução de entidades que por motivos vários obsedam pessoas ou ambientes em que
vivem, procurando esclarecer, ou simplesmente afastar as intromissões malfazejas, sempre
respeitando a Lei do Livre Arbítrio.
5. Também nos propomos a tentar dissolver miasmas ou fluídos negativos agregados aos
corpos dos médiuns e assistentes (trabalho de expurgo).
6. A gira também estabelece um vínculo maior entre o médium e o seu guia, ampliando assim
cada vez mais o entrosamento, melhorando também a sua capacidade mediúnica de trabalho.
Capítulo 5 - Entendendo Uma Gira de Umbanda
7. Por último, dentro do campo das possibilidades kármicas, esclarecer ou ajudar na solução de
problemas pessoais, através de mentalização clara e persistente, ou seja, é fundamental que
se compreenda que um Templo Umbandista não é uma Tenda de Milagres, onde chegamos e
todos os nossos problemas materiais serão resolvidos. Um Templo Umbandista é o local para
recarregarmos nossas “baterias”, renovamos a nossa fé em Zambi (Deus) e através da
caridade pura evoluímos como seres humanos alcançando assim serenidade para
enfrentarmos o nosso dia-a-dia. Em resumo, as funções dos guias, mentores e protetores de
Umbanda são de amparo, esclarecimento, orientação... a decisão e solução são nossas.
Compreendemos também que existe forte tendência do ser humano, de maneira geral, em
quando submetidos a uma situação frustrante ou de fracasso, atribuir a causas externas a sua
pessoa esse fracasso, e quando submetidos a situações prazerosas atribuir a si mesmo, as suas
qualidades pessoais. Exemplo disto: invariavelmente quando somos demitidos do nosso emprego,
atribuímos a uma perseguição, muitas vezes autêntica do nosso chefe e nunca a nossa
incompetência. Nem aventamos a hipótese de estarmos sendo “perseguidos” por que somos
incompetentes, mas o nosso chefe é que é um chato, ou “não vai com a nossa cara”. Em contrapartida
se somos promovidos, nunca é porque o chefe é bonzinho, ou porque é um bom chefe, atento
aos méritos dos funcionários, mas sim porque somos competentíssimos (e só um “cego” não “veria”
essa competência toda), e essa promoção era mais do que merecida.
Assim as pessoas agem quando chegam aos terreiros de Umbanda. Se não têm os seus pedidos
atendidos de pronto, é porque o dirigente não é bom, porque o terreiro é fraco, ou porque a Umbanda
não é de nada. Nunca lhes passa pela cabeça que primeiro precisam merecer alcançar determinada
graça, ou que seja um processo kármico evolutivo pelo qual estejam passando para seu próprio
aprendizado. Não meus amigos, infelizmente isso não acontece, e sabem porque? Porque muitos
resolvem ser umbandistas por medo, ou para que sua vida material melhore. Cabe mudar esse
primeiro conceito. Mudar a mentalidade dos médiuns umbandistas, e aí sim mudar a mentalidade da
assistência. Isso é obrigação de todo Dirigente Umbandista. Orientar seu corpo mediúnico e a
assistência do seu terreiro ao invés de sentar no “trono” de dirigente e responder as perguntas que
lhe são dirigidas com o famoso “é assim porque é”.
A Umbanda evoluiu, esse tipo de papel não cabe mais nela. O estudo constante é
fundamental. As entidades que militam na seara umbandista estão cada vez mais evoluídas e
esclarecidas e tem importante papel dentro da espiritualidade. Cabe, a nós médiuns, tentarmos estar
a altura dela.autor  

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
VOTE NA ENQUETE
Você acredita em Vida após a morte?
Sim acredito...
Não acredito ...
Ou a vida acaba na morte.
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (2218 votos)



ONLINE
6